Postagens

Mostrando postagens de 2018

Ciência no Velho Oeste: o uso de um podcast na divulgação científica

Imagem
Trabalho apresentado no 10º Siepe Unipampa, Santana do Livramento, RS, em 06/11/2018, premiado como melhor apresentação oral na categoria Extensão. 
Slides da apresentação

INTRODUÇÃO Vacinas são, historicamente, o meio mais efetivo e seguro para se combater e erradicar doenças infecciosas, e quanto a isto há consenso científico (MANDAL, 2018), entretanto, mesmo com o consenso, crescem mundialmente os movimentos anti-vacina (HOTEZ, 2017); como isso é possível? Para Vasconcellos-Silva & Castie (2010), o problema se centra na saturação das informações advindas de meios e fontes plurais; sob o mantra das “versões equilibradas”, dizem eles, os ruídos e rumores de risco, amplificados pelo “efeito celebridade”, acabam gerando um ciclo de informações falaciosas que acabam ocupando os espaços reservados ao conhecimento científico. Vasconcellos-Silva & Castie (op.cit.) afirmam que tal é ainda mais preocupante quando se pensa tratar-se de saúde infantil, na qual decisões equivocadas podem l…

Chocante: descobri que não sou ateu...

Imagem
Gente, não é incrível passar mais de 30 anos definindo-se algo e, de repente, sem mais nem menos, descobrir que está errado? Aliás, é ainda pior! Não ‘descobrir’ que está errado, mas descobrirem que você esteve se definindo errado o tempo todo?
Pois é, aconteceu comigo, acreditem… desde meus 11 ou 12 anos me definia como ateu, burro que sou! E por que fazia isso? Bem, porque após tomar contato com coisas díspares tais como outras religiões além da que fui criado, filosofia e, principalmente, ter me maravilhado com a ciência após esta ter me sido apresentada por Carl Sagan na série Cosmos; após ter lido os livros que existiam do Sagan, do Stephen Jay Gould e ter tomado contato com filósofos como Nietzsche, compreendi que haviam outras explicações para “isso tudo aí”, e que esta explicação não prescindia de uma divindade. Fui crescendo mas, burro que sou, continuei a estudar e raciocinar; li a Bíblia, li o Corão, li o Bhagavad Gita, li o Livro dos Mortos tibetano e egípcio… mas li ta…

Tortura: crime sem justificativa possível

Imagem
Quem conhece meu blog sabe que o mesmo texto que escrevo aqui é traduzido para o inglês em meu outro blog. Para você que não é brasileiro e está lendo este texto compreenda: o Brasil está tomado pela loucura! Um bom exemplo que tenho visto é a proliferação de supostas “pessoas de bem” defendo não só a volta do regime militar, tema que já tratei anteriormente neste blog, como defendendo as torturas e mortes havidas durante o regime. Em um post, por exemplo, fala-se que a ex-presidente Dilma fala que foi torturada, mas não fala de seus crimes que, segundo o post, justificariam as torturas sofridas. Em outro, é mostrado uma senhora segurando um cartaz onde afirma ter nascido em 1920, dizendo ainda que que não foi torturada ou morta pelo regime militar brasileiro por “não ter matado, não ter assaltado, não ter explodido carros e não ter roubado bancos ou armas”. Quando inquiridos, os proprietários das postagens muitas vezes resumem: era uma guerra, a tortura estava justificada… Outros, quando…

“Vai estudar”, ou o que dizer quando você não tem mais argumentos

Imagem
Nos últimos tempos tenho sido surpreendido com uma nova mania dos extremistas de direita: mandar estudar. Digo de direita não duvidando que extremistas de esquerda estejam agindo da mesma forma, ainda mais que extremistas de ambos os lados cada vez se parecem mais, em um ótimo exemplo da teoria da ferradura, mas comigo pelo menos ainda nenhum extremista de esquerda se manifestou desta forma. Só nos últimos dois meses, foram três vezes que me mandaram estudar: a primeira, um vereador de minha cidade que estava defendendo o a ditadura militar instaurada em 1964, o segundo um desconhecido da internet falando contra Direitos Humanos, e o terceiro um conhecido defendendo que estupros e violência não fazem parte da bíblia. É engraçado que os três usaram o argumento no mesmo instante do debate, quando terminaram seus argumentos, ou seja, quando as premissas que haviam apresentado defendendo seus pontos de vista foram derrubadas pela apresentação de fatos históricos, argumentos filosóficos…