terça-feira, 15 de setembro de 2015

Feminismo, machismo e a falsa dicotomia

É comum ouvir-se a afirmação de que o feminismo é o contrário do machismo1. Quero argumentar, em primeiro lugar, que concordo e ao mesmo tempo discordo frontalmente desta afirmação.
Mas para argumentar é preciso, primeiro, definirmos machismo. O termo originalmente tem o sentido de “virilidade”, “valentia”, conforme o Vocabulario Portuguez e Latino, de autoria do padre Raphael Bluteau, em dez volumes publicados entre 1712 e 1728, em Coimbra, Portugal, sendo considerado este o primeiro dicionário já feito da língua portuguesa. No século XX, entretanto, com o crescimento do movimento pela libertação feminina, o termo foi apropriado e passou a designar, segundo o Aurélio2:
Atitude ou comportamento de quem não aceita a igualdade de direitos para o homem e a mulher, sendo contrário, pois, ao feminismo.
Aí está o ponto onde concordo. Machismo e feminismo são contrários no ponto em que um não acredita e o outro defende a igualdade.
O ponto onde discordo é quando se diz que o feminismo é o contrário do machismo por também ser uma doutrina sexista. O feminismo em si não é uma doutrina sexista, mas sim uma doutrina que busca a igualdade entre homens e mulheres. Que igualdade é essa? Ora, igualdade de direitos, deveres e oportunidades.
Bom, nesse sentido eu não sou machista. Acredito também em igualdade de gênero; não vejo nenhum problema em ver mulheres em cargos de chefia, na política (mesmo na presidência), ganhando mais que um homem (como é o caso de minha esposa em relação a mim), em divisão de tarefas domésticas, etc.
Isso então significa que eu sou um feminista, certo? Errado!
Mas... como assim? – Ouço meu leitor e minha leitora questionando – Você acaba de dizer que acredita na igualdade de gêneros! Então você é machista?
Não, e é sobre essa “pegadinha” que quero falar hoje, ela consiste em uma falácia chamada falso dilema ou falsa dicotomia.
Mas como o Estripador (que por sinal pode ser acusado de misógino sem dramas de consciência) vamos por partes.
O que eu quis dizer com “falácia” em primeiro lugar? Bom, segundo a Internet Encyclopedia of Philosophy (IEP)3, o termo designa um erro, sendo que este pode ser na argumentação, no raciocínio, em uma falsa crença ou causado por um erro anterior, muito embora os filósofos que estudam o assunto preferem usar a primeira definição. Em suma, usando uma frase do Clarion de Laffalot5, falácias são “argumentos de mentirinha”, que parecem verdade mas não são. Para melhor compreensão de onde está o erro, as falácias são divididas em categorias, sendo que o IEP cita 209 delas.
Uma destas categorias é a citada falsa dicotomia, na qual o erro consiste em apresentar duas escolhas e implicar na obrigatoriedade da escolha de uma. O exemplo citado na IEP4 é:
Eu quero ir de Londres para a Escócia. Eu McTaggart dizer que há dois caminhos para a Escócia a partir de Londres: a estrada alta e a estrada baixa. Eu acho que a estrada estrada alta é mais arriscada por que ela passa através de colinas, e isso significa curvas perigosas. Mas está chovendo agora, então ambas as estradas provavelmente estão escorregadias. Eu não gosto de uma ou outra escolha, mas penso que deveria tomar a estrada de baixo e estar mais seguro.
Ok; onde está o erro argumentativo? No fato de que há muitas outros caminhos para ir à Escócia, você não precisa se limitar às duas escolhas apresentadas! Você pode, por exemplo, pegar outras estradas, ir de trem, ou barco, ou quem sabe avião. Ao analisar outras opções além daquelas no menu injustamente limitado, você pode “segurar o dilema pelos chifres”, ao invés de ser chifrado por ele.
Outro exemplo citado é se alguém te disser: “Bom, é a hora de você se decidir. Voucê contribuirá com 20 dólares para nosso fundo de preservação, ou você está do lado da destruição do meio-ambiente?” 4
Percebe a pegadinha? Você pode perfeitamente ser totalmente contrário à destruição do meio ambiente, mas ainda assim não colaborar com os 20 dólares, seja por que você não tem o dinheiro, por que você considera que pode colaborar com outros fundos com uma atuação mais dentro do que você pensa ser o melhor, ou mesmo por discordar frontalmente da forma de atuação dos ambientalistas, mesmo também sendo contrário à destruição do meio-ambiente!
Pois é exatamente assim que eu percebo a luta do feminismo x machismo. Não concordo com o machismo, acho deplorável considerar alguém inferior seja por que razão seja, considero que somos todos seres humanos e que devemos ter os mesmos direitos, mas, ao mesmo tempo, discordo frontalmente da atuação do feminismo, em especial o feminismo denominado “terceira onda”.
Discordo, por exemplo, quando o feminismo coloca todas as mulheres como oprimidas e todos os homens como opressores, muito embora compreenda que há muito mais mulheres oprimidas. Muito embora pense sim que homem que agride mulher tem que estar na cadeia, discordo quando o feminismo diz que o problema da violência doméstica é um problema exclusivamente voltado contra a mulher, pois quando se olham as estatísticas do próprio governo federal se constata que em números absolutos isso não é verdade; ou seja, acho que homem que agride mulher tem que estar na cadeia, mas considero que mulher que agride homem também deve.
Discordo quando o feminismo faz uma seleção das teorias científicas que devem e que não devem ser divulgadas, que pesquisas devem e não devem ser feitas mas, principalmente, quando negam frontalmente à ciência por esta não se adequar em sua visão de mundo docotômica, isso sem apresentar nenhuma evidência de que as teorias atacadas não são a melhor explicação existente para os fenômenos tratados.
Discordo quando o feminismo defende a igualdade entre os gêneros mas foca apenas nos problemas do gênero feminino, gerando distorções. No Canadá, por exemplo, as feministas foram à luta por melhores condições de trabalho para mulheres com empregos perigosos; tal luta se baseou na evidência de que o percentual de mulheres entre as pessoas que sofreram acidentes de trabalho dobrou em cinco anos. Mas quando você vai ver os dados, observa que não houve um aumento no número de mulheres acidentadas, e sim uma redução no número de homens. Ou seja, vamos supor (por que não disponho aqui dos números corretos) que houvessem mil acidentes de trabalho por ano, sendo que destes 50 era de mulheres; então tinha-se um percentual de 5% de mulheres nos números de acidentes de trabalho. Agora vamos supor que o número de acidentes de trabalho tenha caído para 500 em cinco anos, sendo que o número de mulheres acidentadas manteve-se fixo em 50. Agora tem-se um percentual de 10% de mulheres sofrendo acidentes de trabalho, e isso gerou a revolta das feministas que passaram a exigir leis especiais para as mulheres, mesmo com a realidade de que os números de acidentadas não aumentou e que o número de homens que sofrem acidentes ainda é imensamente maior.
Discordo quando o feminismo apresenta a falsa dicotomia de que se você não é feminista então você automaticamente concorda com o machismo, que você é opressor, que você não quer que homens e mulheres tenham os mesmos direitos.
Em fim, discordo do feminismo em boa parte de suas teorias, considero-as tiradas de uma cartola mágica, sem evidências o suficiente para sustenta-las, mas ao mesmo tempo discordo frontalmente do machismo e de suas teorias de inferioridade sexual. O que faço? Busco sim a igualdade de gêneros, mas sem me filiar ao movimento feminista, ou seja, não pego nenhuma das duas estradas; ou escolho outro caminho, ou ir de trem, ou de barco, ou quem sabe de avião...

----------------------------------
1 - Não gosto do termo “machismo”, considero o termo em si sexista por dar a entender que o macho, ou seja, o homem, é sempre o sexista e o culpado pelo sexismo. Prefiro usar sexismo mesmo, como o fazem os falantes de inglês. Mas neste texto usarei o termo machismo por ficar mais simples de explicar.
2 – OLANDA, A. B. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 3ª. edição, 1ª. Impressão. Curitiba: Editora Positivo, 2004.
3 - Internet Encyclopedia of Philosophy. Fallacy. Disponível em <http://www.iep.utm.edu/fallacy/>. Acesso em 15 set 2015
4 - Internet Encyclopedia of Philosophy. False Dichotomy. Disponível em <http://www.iep.utm.edu/fallacy/#FalseDichotomy>. Acesso em 15 set 2015.
5 - Clarion de Laffalot. Falácias. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=9U2457cS_rU&index=1&list=PL7298E65F62E9A957>. Acesso em 15 set 2015.
Agradecimentos a meu amigo Marcelo Pierri Chiarello pelas dicas de bibliografia

Um comentário:

  1. Perfeita a sua visão! Também vejo os dois lados, e vejo que a única forma de levar em consideração, e particularmente buscando um caminho alternativo, que não seja a razão sobre quem tá certo ou errado, mas por que isso ocorre? E como melhorar isso, sem que tenhamos que taxar e idealizar tudo que não concordamos.

    ResponderExcluir